Homeschooling – você sabe o que é?

Nas minhas pesquisas sobre educação – assunto que tem tomado grande parte do meu tempo e tem lugar especial aqui no blog, me deparei com o Homeschooling. Você sabe o que é isso?

homeschooling

Homeschooling é a prática do Ensino Domiciliar. É uma alternativa ao ensino formal das escolas, onde os pais optam por ser os responsáveis pela educação integral dos filhos além, é claro, de ter um ensino totalmente personalizado. O método pode ser encarado também de forma complementar ao ensino tradicional.

Nem todos os países permitem essa prática. No Brasil a educação doméstica é válida parcial ou integralmente.

Existem sites com atividades e também um grupo bem interessante no Facebook onde os pais se ajudam e trocam informações, experiências e atividades para as crianças.

E foi justamente nesse grupo que eu conheci a Marcia Gomes, brasileira residente em Malden, região de Boston, USA, há 10 anos. Ela utiliza o método de modo complementar à educação do seu filho para ensinar português e cultura brasileira a ele, que é americano.

Marcia é jornalista e autora do blog Ser Mãe na América. Ficou grávida no meio do mestrado e quando seu filho nasceu, tentou voltar a trabalhar mas foi tão angustiante que percebeu que seria mais feliz cuidando dele em casa. Com o apoio do marido, saiu do trabalho, concluiu o mestrado e, desde então, tem se dedicado à maternidade em tempo integral (embora realize alguns trabalhos fora de casa de vez em quando).

E ela me concedeu uma entrevista bem esclarecedora sobre a prática de homeschooling. Veja abaixo a íntegra da entrevista:

Por que optou pelo homeschooling?
O motivo principal que eu optei pelo homeschooling foi dar a oportunidade de ensinar português ao meu filho. Nós moramos nos EUA e praticamos o homeschooling parcial. Ele frequenta escola pública e, em casa, eu ensino português, cultura, história e geografia brasileira.
Na sua opinião quais são as vantagens e desvantagens?
As vantagens são inúmeras com destaque para o ensino individualizado.
Eu posso seguir o ritmo de aprendizagem do meu filho, posso incluir no processo de ensino/aprendizado os gostos e aptidões que ele apresenta, trabalhando individualmente suas pontos fracos e fortes.
A sala de aula é o mundo, ou seja, o aprendizado não se restringe a um tempo ou lugar.
Por exemplo, quando eu vou assar um bolo, eu peço para ele me ajudar lendo a receita, colocando os ingredientes. Nessa atividade simples, estou trabalhando a linguagem por meio da leitura, aquisição de vocabulário, ortografia e também matemática por meio das medidas, ciência através da junção dos diferentes elementos, etc. Se estamos na rua e começa a chover, podemos conversar sobre como a chuva se forma, as estações do ano, a importância da preservação do meio ambiente etc.
Há muitas outras vantagens como a transmissão dos valores familiares, o ensino mais efetivo, o tratamento dos assuntos respeitando a maturidade da criança (e não a idade), o respeito pelo estilo de aprendizagem da criança, a segurança etc.Em relação às desvantagens, eu diria que são mais desafios que desvantagens propriamente dito. A questão da socialização, claro, é um ponto a ser ponderado com cuidado. Penso que seria interessante dar especial atenção nesse quesito, que é um dos mais criticados pelas pessoas com opiniões contrárias ao homeschooling.
Algumas soluções seriam a participação em clubes, igrejas e atividades extracurriculares (dança, música, esportes, escotismo etc). Outro desafio é a questão da legalização, já que em alguns países a prática do homeschooling não é permitida. No meu caso específico, o maior desafio é a aquisição de materiais de apoio em português (o que não chega a ser algo tão complicado) e a persistência já que a criança tem a tendência de querer trazer o inglês para dentro de casa.
Como é a rotina de aprendizagem?
Não temos uma agenda rígida, mas tentamos aproveitar todas as oportunidades. Em casa, por exemplo, conversamos apenas em português.
Tenho pensado em estruturar nosso dia mas, por enquanto, nossos horários são bem flexíveis e o aprendizado é adquirido no dia a dia, às vezes de maneira estruturada, às vezes não.
Você usa que tipo de material de suporte?

Sempre procuro trazer vídeos e livros do Brasil, inclusive, livro didático. Ultimamente, meu filho (6 anos, 1o ano) está vidrado nas histórias em quadrinhos da Turma da Mônica. Fiz uma assinatura internacional (mas ainda não recebi nenhum exemplar… longa história…) das revistinhas e sempre peço para as pessoas que vão ao Brasil tragam giibis para ele. Também me inspiro muito nas propostas e atividades realizadas pelo grupo do Facebook Homeschooling Brasil.
Assistimos vídeos em português através do youtube ou adquiridos no Brasil. No início, eu mesma criei livrinhos e joguinhos com sílabas para ele. A internet é uma fonte rica de ideias.

Como você valida o conhecimento? Tem alguma certificação? (algumas famílias adotam sistemas de ensino, incluindo suas avaliações)

Não seguimos nenhum currículo específico. Não faço avaliações. Usamos exercícios propostos pelos livros, mas não nos restringimos a isso. A maior validação de que estamos no caminho certo é que o meu filho é capaz de ler e escrever em português, mesmo que frequente escola americana. Esse conhecimento foi adquirido em casa com persistência e trabalho de formiguinha. Um dia desses ele fez um bilhete para um

amiguinho, também filho de brasileiros, da mesma idade que ele. O amigo pegou o bilhete e, desapontado, disse que não sabia ler em português. Meu filho pegou de volta o bilhete que tinha escrito e leu em voz alta. Isso, sim, é uma validação e tanto!

No seu caso específico, caso volte a morar no Brasil, pretende continuar? Se optar por colocar seu filho na escola regular, tem algum receio?

Nunca pensei muito nisso porque não temos planos de voltar ao Brasil mas, se isso acontecer algum dia, tentarei continuar o homeschooling parcial seguindo a via contrária, ou seja, estaria ensinando inglês, cultura, história e geografia americana em casa. O receio em colocar o
meu filho em escola regular seria o mesmo que tenho hoje e que já citei acima como as questões de segurança, respeito a individualidade, padronização do conhecimento, transmissão de valores etc.

Pretende praticar o homeschooling até qual idade?

Para sempre! :) Pensando de forma bem abrangente e considerando que o ser humano adquire conhecimento dentro e fora dos portões da escola, eu acredito que o homescooling não tem data de vencimento. A gente passa uma vida inteira aprendendo e sempre tem algo que a gente não sabe, né? Sendo mais específica e pensando em termos de currículos e estrutura, eu gostaria de continuar o homeschooling por muito tempo e, talvez, evoluir para o modelo integral em algum momento da vida do meu filho quando as questões da aquisição da língua (inglesa) e formação da identidade cultural estiverem mais solidificadas.

Muito interessante né?
É mesmo um mundo que se abre a nossa frente quando encaramos a educação dessa forma.A sala de aula é o mundo, ou seja, o aprendizado não se restringe a um tempo ou lugar.
Ainda tenho algumas dúvidas quanto a socialização e o desenvolvimento de trabalhos em grupo, de argumentação, troca de experiências. Mas acho que vale tentar escolher uma disciplina e se dedicar ao ensino dela para seus filhos. Quero tentar e já sei por onde começar…
Adorei a conversa com a Marcia e espero te-la por aqui mais vezes!! Obrigada!!
beijos
Lele

Tags:

5 comentários em "Homeschooling – você sabe o que é?"

  1. Adorei o post, Le! Muito bacana a atitude da Márcia! De alguma forma, posso pensar q o Lu pratica um pouco “homeschooling” aqui tb, mas com o frances. Já vi reportagens de famílias americanas q praticam ensino domiciliar com os filhos integralmente, eu acho que no brasil não é permitivo, salvos raras exceções, não? beijo querida

  2. Márcia disse:

    Obrigada, Helena, pela oportunidade de divulgar o homeschooling parcial também como opção válida, generosa, poderosa, acessível e possível para o aprendizado bilingue. Farei um link do seu post para minhas redes sociais, ok? Estou à disposição sempre que precisar. Tenha um lindo e abençoado dia. Beijios.

    1. Olá Márcia!
      Obrigada você pela generosidade em compartilhar tamanho conhecimento e vivência.
      Acredito que é para isso o meu blog!
      beijo grande e conte comigo também!

  3. Gabis Miranda disse:

    Adorei o post! Achei super esclarecedor e a entrevista com a Márcia está demais. Muito bom ter acesso a experiências como a dela. Parabéns, Lelê, pelo post. bjs

    1. Obrigada Gabis!!
      A Marcia é ótima e suas palavras… INSPIRADORAS!
      beijos
      Lele

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2008-2019 © Eu e as crianças | Criação: Helena Sordili | Desenvolvimento: Carranca Design Carranca Design por Felipe Viana