Ser mãe é bom pra c@#$%

Me desculpem as mães que só reclamam e que fazem #mimimi a cada problema cotidiano com os pequenos, mas hoje é o dia do meu desabafo e vou direto ao ponto: SER MÃE É BOM PRA C@#$%.

PRONTO!

ser mãe é bom

Ser mãe é bom!! A gente pode até fazer selfie com biquinho!!! <3

 

Há dias difíceis, há dias em que a paciência acaba, há dias em que queremos um tempinho só para nós ou ainda aquele em que nos achamos as piores mães do mundo. OK! Concordo!

Mas por que só falar do lado ruim da maternidade? Sério… se é tão ruim por que as pessoas tem dois, três ou muitos mais filhos?

A minha família não é perfeita, meus filhos demandam (como qualquer criança na idade deles), a gente tem um dia dia de rotina cheio de coisas penduradas AND imprevistos, mas a maternidade traz a alegria do meu dia, sem sombra de dúvida.

Ser mãe dá trabalho é fato – e se não tiver dando trabalho tem alguma coisa errada. A gente sabe disso e já devia saber quando estava planejando ter filhos. A gente já devia saber desde sempre, ou sua mãe sempre esteve linda, feliz e disponível para você? Eu cresci vendo a minha mãe perder a paciência (talvez bem menos do que eu até), mas sendo amorosa e contornando as situações, sabendo lidar com tudo (ou pelo menos enganando muito bem). E olha que meu pai era daqueles que não trocava uma fralda e espera até hoje que a gente faça o prato dele nos almoços de domingo!

Alguns vão dizer que os tempos são outros. Outros vão dizer que as crianças são mais aceleradas hoje. Ok! Não recuso nenhum dos argumentos. Mas PORQUE externalizar TANTO o lado ruim? Não é pra falar só das coisas boas – porque seria até hipócrita, mas não é muito melhor enaltecer as qualidades do que reforçar os problemas? Eu sou positiva, acho que tudo tem um motivo e um porque. E na maternidade não é diferente!

A gente aprende que cada filho é de um jeito, com suas demandas e seus gostos/temperamentos. A gente aprende a organizar a rotina (sozinha ou dividida com o pai das crianças) e a dar conta de tudo. É cansativo? SIM! É prazeroso? MIL VEZES SIM!

Talvez as pessoas estejam preocupadas em postar nas redes sociais algo que não são: pais de príncipes, princesas e crianças perfeitas. Isso sim dá um trabalho do cão: representar personagens irreais!

Eu não estou preocupada com a taxa de natalidade (hahahah – adoro essa piadinha!), só acho que talvez a nossa geração seja meio bunda mole… não aguente o tranco sabe? E talvez até um pouco egoísta (ou seria MUITO??) pois não quer deixar de fazer as coisas por conta dos filhos e tal.

…só acho que talvez a nossa geração seja meio bunda mole…

Vou dizer uma coisa bem séria: meus filhos nem são tão grandes assim e eu já percebo que a fase mais hard de privação passou. É claro que o trabalho intelectual agora é muito grande, a gente tem que conversar, argumentar, mostrar com exemplos as coisas legais e não tão legais do dia-a-dia e isso é BEM trabalhoso. Mas ver que estamos criando filhos fortes, críticos, atentos ao mundo em que vivem é extremamente gratificante.

E agora até nos perdemos um pouco quando eles estão com suas atividades e nós “sobramos”.

Então vamos lá! Bora falar do lado bom da maternidade sem ampliar os desabores que, sabemos, são normais em todos os momentos!

beijos

Lele

21 comentários em "Ser mãe é bom pra c@#$%"

  1. Lele, é por aí mesmo!
    Percebo que as mulheres querem tudo de mão beijada, inclusive no que se refere aos filhos.
    Se não dá conta, pra que ter? O pior, não dá conta de um, e engravida de outro (s)! Realmente ser mãe é bom pra cacete!
    Rsrsrs

    1. HAHAH eu pensei bom pra CARALHO! hahah mas aceito!
      vc é nota 1000! Mãe de 3 e incrível!
      bjs

  2. Aplaudindo de pé porque vc falou tudo que eu queria falar, amiga! (na verdade escrevi um texto um pouco mais violento e não postei hahaha) É isso aí, se quisermos romantizar a maternidade vamos romantizar sim. beijo sua linda!

  3. Lele, vou te dizer: é bom demais ler esse texto! É tipo aquela sensação que a gente sento no final dos filmes lindos em que tudo dá certo no fim.
    Como já comentei por aqui, ainda não alcancei a tal “serenidade materna” que tu tens, mas sim, já inseri o papel de mãe na minha identidade – com muito orgulho!
    Escrevi sobre isso aqui: http://somelhora.com.br/index.php/2016/05/10/identidade-mae/
    Obrigada pelo sorriso de hoje! :)

  4. Adri disse:

    Mas é claro que devemos ressaltar o quanto é bom ser mãe!!!! Você me inspirou e vai ter post sobre isso também.
    O tempo vai passar e mundial vamos perceber que os filhos estão grandes e continuaremos reclamando…. Mas dessa vez com saudade !!! Bora aproveitar esses momentos❤️❤️❤️

  5. Silvia disse:

    Exatamente o q eu penso! E vou mais llonge… Acho que as pessoas hoje gostam de falar dos problemas para parecerem heroínas quando encontram outra pessoa com dificuldades. Menos mimimi e mais mão na massa, pessoal!!! Rs

  6. Gabi Miranda disse:

    Eu já escrevi sobre isso, que na verdade as pessoas querem a parte boa, mas não querem as responsabilidades que vem junto com ela. rs Por isso que eu não fico incentivando ninguém a ter filhos. Pq eu acho maravilhoso, mas o que é bom para mim pode não ser para o outro.

    Adoro quando tem posts desabafos por aqui.

    bjs

  7. Cléo Moretti disse:

    Eita!
    Lelê eu também não sou de mimimi, ahahahah
    Gosto e não gosto, ahahahah
    É ruim mas é bom!
    Vivo cada dia com meus filhotes e procuro curtir todos os momentos sem superproteger, porque a vida é madrasta.

  8. Laura disse:

    Super concordo em tudo! E tem dias que mesmo estando tudo mal, olhar para eles anima e ás vezes quando sentamos ao lado deles tudo passa! :)

    Ameiii! <3

    Beijos, Laura
    http://www.maede2.com.br

  9. Bárbara disse:

    Concordo plenamente! Ser mãe nunca foi e não é fácil porque educar e dar amor à uma criança é desgastante. Mas se não fosse bom porque tanta gente tem filho. Chega de mimimi. Bjs

  10. Parabéns pelo post Lele!
    É maravilhoso ser mãe! Sou mãe de três e sou realizada! É claro que tem momentos em que nos sentimos cansadas, e é por isso que eu procuro descansar sempre que posso. minhas filhas são os melhores presentes que Deus me deu!
    Beijinhos!
    http://dulcineiadesa.blogspot.com.br/

  11. Camila disse:

    Concordo em tudo, se não achasse tão bom não teria 3 filhos!!! E nenhum foi sem querer… Todos planejados!
    Ser mão é bom demais!

  12. Laís Sass disse:

    Super concordo com você!!! TODOS os dias tem mães reclamando na minha timeline sobre ser mãe, ter filhos, não ter tempo… poxa vida… e quando agradece? Filhos saudáveis, amorosos… vamos ver o lado positivo da vida?
    Dou graças a Deus pelo meu baby e amoooooo ser mãe! Não troco minha vida atual por nada desse mundo! <3

  13. Mariana disse:

    Concordo com o texto plenamente é claro que tem aquele dia que estou super estressada e fico nervosa com meus filhos, mas a maioria dos dias é super tranquilo e eu amo a maternidade como ela é.
    Bjs
    Mari
    Vamosmamaes.com.br

  14. Jay Santos disse:

    Isso mesmo garota… ser mãe é a melhor coisa do mundo. Adoreio post!!!

  15. Bárbara disse:

    Querida Lele,
    Gostei muito da sua reflexão e, principalmente, do título desse post. Ele diz tudo!
    Só não concordo com você quanto ao seu pensamento de que nossa geração seja meio bunda mole. Pelo contrário!
    Na minha infância, quase toda mãe de classe média tinha uma profissional dentro de casa que cuidava das principais tarefas do dia a dia e ainda auxiliava no cuidado com as crianças. Hoje, uma família de classe média muitas vezes não consegue contar com o auxílio de uma babá, menos ainda com o combo “babá + empregada doméstica”, então é muito mais comum vermos mães que, como eu, limpam, cozinham, lavam roupa etc., cuidam da criança e ainda trabalham fora! E mais, as lancheiras chiques da década de 80 contavam com lanches prontos e industrializados, enquanto hoje, devemos cozinhar e/ou manipular os lanches que nossos pequenos levam para a escola.
    E com relação à situação financeira, vemos que hoje, para que nossos filhos consigam competir de igual para igual, devem aprender desde cedo um segundo idioma (quiçá um terceiro!), para não contar com outras habilidades. Isso, somado a uma auto-estima reforçada e estudos que não param mais na simples graduação, demanda mais investimento do que o necessário para uma criança na década de 80.
    Hoje eu consigo passar muito mais tempo com minha filha do que os nossos pais passavam conosco. E apesar de toda a tecnologia, em casa a maior parte do tempo é para brincar e aprender. E conversando com amigas e amigos, mães e pais, vejo que é na casa dos avós é que as crianças passam mais tempo na frente de TVs (e às vezes de tablets e outros eletrônicos). Então voltando ao seu comentário, acho que hoje estamos é mais conscientes e mais responsáveis sobre os cuidados com os filhos. E justamente por darmos mais do nosso tempo a eles é que não queremos ter dois, três ou quatro.
    Claro que você ou qualquer outra mãe pode discordar de mim, mas achei válido colocar também minha opinião e minha vivência!
    Um grande abraço,
    Bárbara

    1. Oi Barbara!
      Que delícia receber seu comentário! Sem dúvida a minha generalização não abarca nem eu, muito menos você pois optamos por ser mães de fato, assumindo responsabilidades e afazeres.
      Mas olhando bem próximo de nós (alguns amigos, pais de amiguinhos e até familiares) vejo que tem muita gente bunda mole sim.. hehe
      Volte mais vezes!!
      bjs
      Lele

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2008-2018 © Eu e as crianças | Criação: Helena Sordili | Desenvolvimento: Carranca Design Carranca Design por Felipe Viana