Lembranças da copa do mundo

Tenho MUITAS lembranças da copa do mundo da época que eu era criança. Os jogos eram um bom pretexto para reunir a família e os amigos… Tinha sempre um ar de coisa boa acontecendo, o nacionalismo exaltado, esperança.

Foto: GettyImages

Foto: GettyImages

A primeira lembrança que tenho é da copa de 82. Assistíamos todos os jogos na casa da minha tia Rosa com meu pai, tios e primos. A casa da minha tia (ela mora lá até hoje) tem um quintal enorme e, na época, tinha apenas árvores como mangueira, pitangueira….

Numa época em que a gente não tinha muita grana, o churrasco com a família foi planejado e ganhando força a cada jogo. Até que chegou a final e o dia do churras e o Brasil perdeu. Lembro da decepção de todos que estavam lá, eu perguntava pro meu pai se ainda dava tempo de virar o jogo e ele só balançava a cabeça, negativamente. Depois, fomos lá comer o tal churrasco e a vizinhança passava e perguntava se estávamos comemorando…

Depois lembro das copas de 86 e 90. A gente assistia os jogos com o pessoal do clube. Tinha até o carro Gol da copa. Lembram disso? E tinha um amigo do meu pai que tinha. Eu achava tão legal! Lembro exatamente do último jogo, em que o Brasil perdeu pra França. Uma galera reunida no restaurante em volta de uma TV que não tinha mais do que 29′.

A copa de 90 coincidiu com a minha formatura da 8a série. Lembro que uma das gincanas do acampamento era fazer uma paródia e ela ressaltava a eliminação nas oitavas… para a Argentina!

Em 94, eu já não era tão criança né? Tinha 17 anos e assisti cada jogo num lugar. Com meu pai na casa de amigos, na casa de amigos meus, e a final, essa eu lembro demais! Estava na casa da tia Regina com Dé, Fá, Jú e minha saudosa madrinha Marlis. Na hora dos pênaltis eu e as meninas saímos da sala e ficamos “rezando” sem assistir os chutes. Mas a cada cobrança, uma alegria. E a confiança aumentava! Foi bom demais estar com elas naquele momento.

Passados alguns anos e mais algumas copas, hoje estamos num momento bem delicado do país, das cobranças dos governantes, da mobilidade e corrupção, enfim… Teoricamente não seria um momento de festa. Mas, somos a sede da Copa, estamos contagiados pelo álbum de figurinhas, pela expectativa dos dias dos jogos, e como mãe, vejo as crianças idealizando, tendo esperanças, torcendo. Quem sou eu para tirar isso deles?

Pelo contrário! Precisamos exaltar nosso país (que não é só carnaval e futebol) e fazê-los sentir amor pela nação, dar a eles a esperança de um país bom de se viver, trabalhar, comemorar, TORCER! Eu amo o Brasil, com suas qualidades e defeitos. Amo morar aqui, mas é claro que sei dos problemas, claro que me revolto. Porque a gente ama mas não é cego né?

Me entristece quando alguém diz que não vai torcer…. Não porque não curte futebol, mas por boicote (?) ou sei lá o que…
Vamos torcer, aproveitar esse momento, nos manifestar com esperança e não esquecer das outras lutas, das necessidades do país. Que tal? Não é pra ser míope, é só pra curtir e entender que são coisas diferentes e, se você tem filhos, cultivar a esperança no país e não a desesperança.

*** meu post já estava pronto e agendado, quando me deparei com esse texto aqui. Vale a leitura! É uma visão complementar a minha, mas de uma americana que vive em Paris***

Tags: ,

2 comentários em "Lembranças da copa do mundo"

  1. bossamae disse:

    Lelê!!!! Eu ia fazer um post desses e hoje vi que vc postou. Adorei!!! Talvez ainda faça. Tenho lembranças boas de época da Copa. Adorei o seu post. E acho sim que devemos cultivar esse período junto com as crianças, principalmente, porque é sim um período para reunir a família e curtir e torcer junto. :)

    1. É isso mesmo Gabis! Reunir a família, curtir o momento e incentivar as crianças a amar o país!
      Faz o post sim, quero ver!!!
      beijos
      Lele

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2008-2019 © Eu e as crianças | Criação: Helena Sordili | Desenvolvimento: Carranca Design Carranca Design por Felipe Viana